Site da Serra

MENU
Logo
Terça, 20 de abril de 2021
Publicidade
Publicidade

Cotidiano

Dona do Abrigo Au Au Carente na Serra mantinha vaquinhas on-line para arrecadar R$ 250 mil

O suposto abrigo é dos pais da jovem mantinha 14 animais em estado de abandono em Vila Velha

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A Delegacia Especializada de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) indiciou pai, mãe e filha, responsáveis pelo Abrigo Au Au Carente, na Serra, por maus tratos a animais. O delegado responsável pelo caso também representou pela prisão preventiva de Bianca Guimarães, filha de Lívia Guimarães e José Délio, responsáveis pelo suposto abrigo e investigados. O inquérito policial instaurado em janeiro deste ano foi concluído essa semana e remetido ao Ministério Público.

A presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Maus-Tratos Contra os Animais da Assembleia Legislativa (Ales), deputada Janete de Sá (PMN), disse que vai acionar o Ministério Público (MP-ES) para que seja feito o pedido de prisão dos responsáveis pelo Abrigo Au Au Carente. O anúncio foi feito durante reunião do colegiado realizada na tarde desta quarta-feira (24) no Plenário Dirceu Cardoso.

Como tudo começou

As investigações começaram depois da descoberta de um apartamento, em Vila Velha, onde 14 cães foram encontrados em estado de abandono, sendo que 11 deles tinham morrido, e os sobreviventes se alimentavam desses restos.

A moradora do imóvel, inicialmente, foi dada como desaparecida pelos pais, que chegaram a afirmar que ela era dependente química. Durante as investigações, o titular da DPMA delegado Eduardo Passamani, descobriu que ela não tinha desaparecido, mas estava sendo escondida pelos pais, que participavam do esquema criminoso.

Doações na internet

A dona do suposto abrigo Livia Lopes Machado Guimarães e mãe da jovem que abandonou os animais no apartamento em Vila Velha, mantinha uma espécie de “vaquinha” on-line, há cinco meses, onde pretendia arrecadar R$ 250 mil, que segundo o post seria para compra de um imóvel. Na descrição do pedido ela argumenta que já havia recebido a doação de R$ 60 mil e precisava desocupara a chácara onde funcionava o abrigo em 60 dias, por isso, estava realizando a vaquinha, que arrecadou R$ 285,00 apenas.

“Atualmente moramos de aluguel em uma chácara localizada em Serra e infelizmente nosso contrato se encerrou a 60 dias, e o dono colocou a área a venda. Ele nos apresentou uma proposta de compra no valor de R$ 300.000,00 por uma área muito boa para ampliação do abrigo, mais a casa. Graças ao nosso bom Deus e a uma colaboradora mais que especial em nossas vidas, já temos o valor de R$ 60.000,00 para darmos de entrada, nos restando a arrecadar o valor de R$ 240.000,00 Precisamos de arrecadar esse valor no prazo de até 60 dias, caso contrario seremos obrigados a procurar outro local de emergência, e com toda certeza com o número de animais abrigados aqui, ninguém irá nos alugar um imóvel e não sabemos que rumo tomar”.

Em outro site de vaquinha on-line, o Abrigo Au Au Carente chegou a receber ajuda de R$ 14.990,00 e o argumento seguia o mesmo, arrecadar R$ 230 mil para compra de um novo local. Porém, segundo a descrição, eles já haviam dado a entrada na compra do novo local e precisavam do restante do valor. Eles afirmam ainda que na primeira vaquinha não foram bem sucedidos, por isso, estavam realizando outra.

“CAMPANHA DE NATAL PAGAMENTO DA SEDE DO ABRIGO - Recentemente adquirimos a sede do abrigo que até então era alugada. Demos um valor de entrada e ainda restam aproximadamente R$230.000,00 A mais de 15 anos efetuamos o trabalho de salvamento e resgates de cães dando aos mesmos uma segunda chance para aqueles que não tem voz. Nossa primeira tentativa da Vakinha não foi bem sucedida onde arrecadados apenas 5% do valor desejado. Gente, se não conseguirmos arrecadar esse valor agora em dezembro, em janeiro o meu destino e dos animais será a rua. Não tenho de onde tirar e nem como desfazer de nada pois não tenho para arcar com essa dívida. Não tenho renda e dependo de doações para manter os animais e local onde eles vivem. Peço encarecidamente a ajuda de vocês pois não terei outra saída a não ser a rua.

CPI dos Maus Tratos

As apurações realizadas entre a Polícia Civil juntamente com a CPI dos Maus Tratos indicaram que não se tratava de simples situação de abandono. A família também mantinha uma chácara, na Serra, onde afirmava abrigar os animais abandonados e pedia doações pelas redes sociais para a manutenção do espaço.

No dia 20 de janeiro, a polícia e a CPI dos Maus Tratos interditaram o local e resgataram 34 cães. “Encontramos indícios de um esquema criminoso em que os animais eram resgatados, usados em divulgação nas redes sociais para aferição de dinheiro, porque eles recebiam doações, e os animais não eram tratados, o dinheiro não era destinado praquele fim. Eles eram encaminhados pro apartamento, onde eles vinham a morrer. Existem informações de que eles retiravam grande quantidade de lixo do apartamento e isso pode indicar que os animais morriam ali há tempos”, afirmou Passamani.

A CPI dos Maus Tatos realizou a oitiva de envolvidos no caso na tarde dessa quarta-feira (24), no entanto, os indiciados não compareceram.

Justificativa

O advogado dos três convocados, Jamilson Monteiro Santos, não apresentou justificativa da ausência dos clientes. Ele acionou outros advogados que chegaram a tumultuar os trabalhos, no entanto, acabaram sendo retirados do plenário por atrapalhar o andamento das investigações.

Janete de Sá chamou o local onde o crime aconteceu de “apartamento da morte” e disse que o relatório da CPI deve ser finalizado até sexta-feira (26). O documento deve servir de apoio ao inquérito conduzido pelo delegado Eduardo Passamani, titular da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente.

Em consonância com o inquérito da polícia, a CPI deve propor a proibição da saída dos três suspeitos do país, vetar que possam recolher animais, além da retirada das páginas do Abrigo Au Au Carente das redes sociais. Outras medidas propostas são o bloqueio das contas usadas por eles em aplicativo fintech e quebra do sigilo bancário e fiscal dos três convocados.

Créditos (Imagem de capa): Divulgação

Comentários:

Envie sua mensagem.